Enviado por rodolpho.chermont em ter, 17/01/2023 - 10:17

Fapespa integra o Plano Pará 2050, do Governo do Estado, com pesquisas que servirão como base para o planejamento 2050

3

Ocorreu na manhã desta segunda-feira, 16/01, no auditório do Instituto de Ciências Jurídicas da UFPA, o evento de lançamento do novo Planejamento Estratégico de Longo Prazo do Estado do Pará, o “Pará 2050”, do Governo do Estado. O evento marcou a primeira atividade do projeto que, neste primeiro momento, deverá mobilizar atos e segmentos nas Regiões de Integração Guajará, Guamá, Marajó, Rio Caeté, Rio Capim e Tocantins. Estiveram presentes a vice-governadora do Estado Hanna Ghassan, o Presidente da Fapespa Marcel Botelho e outros representantes do governo e organizações da sociedade civil.

 

Pará 2050

Este é um projeto do Governo do Pará e tem como objetivo elaborar um planejamento de longo prazo com a finalidade de propor o desenvolvimento coletivo de uma agenda estratégica do Estado que guiará um conjunto de intervenções destinadas a atender demandas da população. A elaboração visa também respeitar as especificidades de cada região e promover o desenvolvimento sustentável no Pará até o ano 2050.

3

Portanto, o “Pará 2050” será elaborado nos próximos 15 meses, a partir de ações que incluem diagnóstico e pesquisa, elaboração de cenários, escuta social, encontros temáticos regionalizados e, por fim, a institucionalização do plano nas 12 regiões de integração do estado.

A necessidade da formação desta ação surgiu após os compromissos do Pará na projeção de um modelo estadual sustentável no País, como o ingresso na campanha mundial “Corrida para o Zero”, movimento das Nações Unidas para conter o aquecimento global, e as amplas discussões sustentáveis ocorridas na Cop 27. 

 

Trabalho integrado

De acordo com a secretária de Estado de Planejamento e Administração, Elieth Braga, o Pará 2050 é uma visão de futuro e um trabalho coletivo, que envolve diversos segmentos e inclui cada habitante do Estado.

“Somos um Pará grande, um Pará continental, de diversas realidades. Por isso, é necessário que possamos retratar nesse espelho de crescimento essa realidade diversa, respeitando o meio ambiente e trabalhando para que o desenvolvimento esteja aliado à sustentabilidade. Essa etapa é muito importante, pois passamos ao momento operacional deste plano, seguindo um cronograma de atividades para que possamos ainda neste ano entregar aquilo que vai ser o planejamento estratégico de longo prazo do Pará. Em um modelo discutido com as comunidades indígenas e quilombolas, com todos os municípios, e com as áreas e setores produtivos, para que assim consigamos aliar desenvolvimento à floresta em pé”, destacou a secretária Elieth Braga.

3

“Neste plano Pará 2050 nós, enquanto Federação, podemos dizer que estamos prontos para propor projetos que exerçam a sustentabilidade e que possam ser executados. Temos indígenas qualificados nas mais diversas profissões, e estamos preparados para ocupar esses espaços, juntamente ao Governo e outras entidades, e tornar o Pará um estado potente, e um estado que de fato saiba lidar com a Amazônia”, frisou Ronaldo Amanuê, representante da Federação dos Povos Indígenas do Estado do Pará (Fepipa).

Em agosto de 2022, o governo do Estado apresentou o Projeto Pará 2050 em evento no Teatro da Paz, em Belém, com a participação de mais de 400 convidados, oriundos de órgãos federais atuantes em território paraense e dirigentes e servidores de todos os órgãos estaduais, 102 prefeituras, reitores e membros da Academia, além de representantes de conselhos e da sociedade civil.

2

Para somar forças a este projeto, a Fapespa, por meio de seus estudos e pesquisas, firma compromisso para a geração de dados e informações que sirvam de auxílio na tomada de decisões públicas nesta ação. A Fundação coopera com o planejamento do Plano Plurianual do Pará, fornecendo estudos regionalizados das 12 regiões de integração, sobre os principais indicadores de cada área no estado, o que posteriormente acarreta melhorias por todo o Pará.

 

Texto: ASCOM Fapespa e SEPLAD